sábado, 8 de abril de 2017

Ninguém te vai impedir de renascer.


Um dia vai chegar a altura em que as máscaras vão cair. Um dia vais deixar as lágrimas escorrer, não as vais esconder. Um dia vai chegar a altura em que te sentirás segura, independentemente das cicatrizes deixadas, dos segredos guardados.
Não te vou dizer que as marcas desaparecem, ou que as lembranças se vão. Não te vou mentir. Mas quando chegar o dia prometo que vais sentir alivio. Vais sentir o peso que sempre te pressionou o peito desaparecer, o nó na garganta a dissipar, os pés descalços a sarar. 
Quando esse dia chegar, todas as tuas dores vão ser motivo para amar a vida, por tudo o que conquistaste, por todas as vezes que gentilmente tentaste ser feliz na mágoa. Quando esse dia chegar, todos os medos superados vão mostrar-te que valeu a pena lutar na esperança de dar novas tonalidades ao mundo, na perseverança de conseguir  um novo olhar sobre a existência - porque vale sempre a pena.
Um dia vai chegar a altura em que sem máscara vais sorrir. Quando esse dia chegar, nada te vai impedir de florescer. Ninguém te vai impedir de renascer.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

O nosso amor está mapeado nas estrelas





Quando chegaste não sentia nada para além de vazio, não sentia nada para além de não sentir. Parece que não mas talvez essa seja uma das piores sensações - a ausência de algo... A tristeza do que falta.
Quando chegaste, o meu coração desconfiado acolheu-te como se te conhecesse, como se estivesse escrito, mapeado nas estrelas, tatuado na alma. E assim ficaste. E assim ficamos.
Hoje estamos aqui, empenhados no que somos, confiantes para onde vamos - porque se formos juntos, o que haverá a temer? 
Hoje estamos aqui, a tentar descomplicar, porque para complicado já basta o mundo, para triste já basta toda a maldade que nos rodeia. - E se descomplicarmos juntos, o que haverá de complicado?
Amanhã vamos estar, onde estivermos, como estivermos. A lutar, a viver, a amar. A sentir e a sonhar. Estaremos sempre.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Do universo e dela própria


De vislumbre peculiar, guiada pelo mundo, comandada pelo espaço. De ninguém e de alguém. São os sentidos que a direccionam às sensações. São as sensações que a direccionam nas direcções. E tu deixas-te ir na ondulação, envolta na intensidade, mesmo que isso te leve a lado nenhum, porque lado nenhum é bom começo, porque começar já é uma vitória. 
São os sentidos que a direccionam às sensações. E tu deixas-te ir na vibração. E é essa a vibração que te percorre o corpo, o sopro que te renova a alma. Porque viver é renovar, é renascer todos os dias.
São as sensações que a direccionam nas direcções. E tu mesmo sempre dona do teu céu sentes-te insegura, temes as nuvens. Porque estar cá é também temer. Porque quem ambiciona teme a tempestade, mas também vai em busca do melhor lugar para apreciar as estrelas.

De vislumbre peculiar, guiada pelo mundo, comandada pelo espaço. De ninguém e de alguém. Do universo e dela própria.